Trabalho final a entregar

Considera-se que o trabalho final seja toda a divisória com a colectânea de post’s criados durante a disciplina de avaliações, onde escrevo em pormenor sobre os trabalhos e seus resultados tendo atualizado os feedbacks aquando da recepção do enunciado do trabalho final. Não seria justo recorrer apenas à memória para resumir o que considero uma viagem desafiante pelo que fui marcando cada ponto desta etapa com uma reflexão cuidada sendo o post sobre o trabalho final apenas uma nota de despedida.

Trabalho final

Orientações

Assim chegamos ao “fim”, interessante como o trabalho final implica a conclusão de um processo mas que para mim este é mais um início, ainda há pouco tempo neste blog dei por mim com um sorriso de marreta a pensar que os meus primeiros passos foram designando o processo de avaliação como sendo complexo e um martírio, ainda me lembro quando lia aquele texto inicial do professor Pinto e se ia destruindo uma noção pré-estabelecida do que seria uma UC de avaliação.

Porquê um início? Como o poderia considerar de forma diferente… Tanto esforço, tanto texto lido, tanto artefacto criado, debate realizado para agora não converter isto em trabalho de campo?

Eu tive os meus horizontes expandidos de uma forma inesperada e muito necessária, nesta UC fui desafiado, exposto a métodos formativos que me fizeram olhar de outra forma para métodos de avaliação e a sua aplicação prática, até nos trabalhos de grupo tive de me impor com os meus conhecimentos de informática e os debates foram uma troca intelectual muito proveitosa. A fundamentação teórica de muitos aspectos que até recentemente julgava banal veio a dar uma nova importância aos conceitos de avaliação.

O papel desempenhado pela professora Lúcia e a Elizabeth foi muito bom, com intervenções detalhadas e críticas que souberam orientar a reformulação dos trabalhos, em termos formativos foi muito proveitoso, por outro lado já anteriormente me havia queixado que faltava um sentido de nota e que o mesmo poderia ter outro papel. Realizamos vários trabalhos todos eles com elevado valor formativo e exploratório mas a transformação dos mesmos em artefactos poderia ter uma nota associada para com esta podermos igualmente medir o nosso esforço e associar valores aos nossos pontos fortes e fracos.

Em jeito de conclusão posso afirmar que foi das UC mais desenvolvidas e dinâmicas deste primeiro ano de mestrado, uma que teve e terá grande impacto na minha vida profissional. Agradeço a atenção e cuidado despendido ao colocar-nos como protagonistas do nosso processo de aprendizagem.

Podar os galhos para moldar o crescer,... Augusto Lizzardi
A avaliação serve para isto, para moldar e incentivar o crescimento

Final do ano letivo

Confesso que ainda não tínhamos chegado a meio do semestre do mestrado e eu já utilizava os métodos aprendidos nas UC’s de Avaliações e Ambientes para auxiliar colegas através de workshops onde mostrava como usar o Teams no ensino à distância tentando que este momento não fosse o horror que estava a ser e que o aproveitassem para no futuro poder criar sistemas de aprendizagem híbridos.

Como é que consegui dar aulas, fazer trabalhos de mestrado, ainda auxiliar professores com workshops práticos sobre o teams e ensino à distância sem alienar a minha família… Não sei…

Fora os agradecimentos dos colegas:

De pais:

Chega agora um pequeno reconhecimento por parte da escola:

Súmula do Conselho Pedagógico

Eu sei que parece que estou no topo do mundo a bater no peito a mostrar como se faz as coisas… mas não, estou cansado, muito cansado mas com um sorriso pois sei que fiz tudo aquilo que pude para ajudar nesta altura complicada.

Porque senti a necessidade de o partilhar no Blog do mestrado? Porque o que fiz é um resultado direto de tudo o que experimentei e aprendi no mesmo, porque sinto-me um melhor profissional do que era anteriormente em consequência do mestrado e que apesar de tudo com ou sem reconhecimento o voltaria a fazer.

Claro que, com reconhecimento é melhor! 🙂

Projeto final de Metadologias de Projeto em elearning

Foi uma caminhada dura de muita aprendizagem individual, quando comecei este mestrado tinha tantas certezas, um caminho claro e largo, não consigo descrever quantas quedas já dei neste caminho, quantos desvios foram tomados, quantos obstáculos foram ultrapassados.

Existe um meme na web que já não o consigo encontrar mas era mais ou menos assim, um homem com nenhuma educação quando olha o seu futuro vê o céu, o homem com alguma educação olha para o futuro e realiza que está preso, o homem com educação e conhecimento olha o futuro e volta a olhar para um céu brilhante.

Que significa isto?

Que antes se eu tinha certezas era porque não sabia nada, à medida que me fui inserindo no processo de aprendizagem do mestrado eu fui perdendo as certezas e me enchendo de dúvidas mas agora no final do primeiro ano é com prazer que entre as nuvens volto a ver um raio de sol.

Já vejo o céu?

Não, ainda tenho muitas dúvidas mas já encontrei o caminho novamente. Sinceramente agora preciso de descansar um pouco e relaxar pois este último ano tem sido uma constante de desafios.

Tenho registado aqui no blog as diversas fases que o projeto tem adquirido e hoje entrego a “última”…

Update tema 2 e 4

Já se sente que está terminando as atividades da UC de Avaliações assim não podia deixar de cumprir o prometido e apresentar uma apresentação reformulada do tema 2, devo confessar que já me devia ter debruçado sobre o assunto e já por várias vezes o pretendia fazer mas nunca houve a disponibilidade o que tornou nesta altura mais complicado ainda pois tive de rever a bibliografia e comentários para poder acertar algumas coisas, o pior foi tentar recordar os pontos que parecia que nunca esqueceria mas que sinceramente deveria ter anotado.

Devo confessar que esta UC mudou a minha perspetiva sobre a avaliação e a sua integração no ensino, olho para trás e sorrio quando penso que uma das palavras que escolhi para a classificar foi “martírio“, considerando que a tenho de fazer a quase duzentos alunos não está assim tão destoado da realidade mas este volume de trabalho repetido por tantos anos foi construindo uma visão restritiva e desadequada que foi agora sacudida e modernizada.

Posto isto resta-me igualmente colocar a atualização do trabalho do tema 4, não foi fácil a sua construção mas esta modalidade de “apresentar, discutir, reformular e entregar a versão final” é muito boa para auxiliar nestes momentos complicados e apesar deste processo ser permitido nas atividades anteriores nesta estava integrado no cronograma que reforça o seu espírito e dá um incentivo extra.

Update:

Julgo que a melhor descrição que posso fazer a esta imagem seria a de como um parágrafo tem a capacidade de nos alegrar o dia. Obrigado, eu Professora!

Tema 4 de Avaliação

Competências a desenvolver

Definir o design de avaliação de um módulo de formação em contexto de Elearning (Atividade de grupo)

  • Constituição livre dos grupos;
  • Pretende-se a definição de um módulo de formação (tema ao critério do grupo) com especial relevo para o plano de avaliação: descrição detalhada das atividades e procedimentos de avaliação programadas;
  • Fundamentação teórica da proposta apresentada, considerando as dimensões do modelo proposto;
  • Apresentação à turma (22 de junho);
  • Discussão das propostas no Forum A4, tendo em vista recolher sugestões sobre  o design final de avaliação (22 a 26 de junho);
  • Incorporação das eventuais alterações nas propostas apresentadas (30 de junho)

Segue o trabalho realizado pelo Grupo 2 (Ester, Luis e Luiz) para a UC de Avaliação em Contexto de Elearning, tema 4, sobre a avaliação de um módulo (módulo 4) de uma ação de formação simulada por nós!

Fizemos um blog a simular o website da empresa que faz as formações/cursos, no qual se encontra a formação que fizemos a simulação e o nossa trabalho sobre a avaliação do módulo especifico. Tudo o que possam encontra é só meramente uma simulação, como a plataforma onde “se encontra a formação” ao qual demos o nome de dodle.

Em anexo o documento elaborado em Word

Link da simulação: avalicap-grupo2.webnode.pt/

Trabalho em anexo.
final-Tema-4-trabalho-final-de-avaliações-2.pdf

Já passou uns dias desde que colocamos o trabalho à disposição dos colegas, devo notar que olhando para trás que fomos ambiciosos em reverter o processo de um curso presencial para um online onde com tantos módulos pretendemos que cada aluno saiba em que ponto se encontra da sua progressão usando a avaliação contínua. Podíamos ter optado por algo mais fácil, mais perto da nossa zona de conforto, mais semelhante ao modelo que trabalhamos, ainda recentemente fizemos isto com o último trabalho da UC de Ambientes Virtuais de Aprendizagem (aqui está o meu: https://mestradoluiscosta.wordpress.com/2020/06/15/seguranca-na-web-para-encarregados-de-educacao/) ainda por cima elevamos mais a fasquia criando um site para toda a empresa de formação… doidos!

Mas.. Porque não? Porque não vim para um mestrado seguir a via fácil mas para experimentar e reflectir sobre a experimentação e se não for na UC de avaliação que terei capacidade de o fazer quando o será?

O grupo teve de depender de mim para a defesa do nosso trabalho, julgo que consegui transmitir as nossas principais linhas orientadoras, mas confesso que alguns comentários tal como outras situações não foram muito construtivos, temos de saber lidar e avançar.

Estou a seguir a discussão e a tomar notas das alterações, se não pudermos aprender com os nossos erros algo estaria muito mal 🙂

Comentário da Elizabeth

Temos todos de aprender a ter a perspicácia da Elizabeth em focar nos pontos positivos e apresentar críticas construtivas nos negativos, garanto que este comentário irá estar ao meu lado quando refizermos o trabalho.

Incorporação do PLE no processo de avaliação

Esta pergunta chegou em tom de desafio do colega Pedro Ribeiro na UC de Avaliação em Contextos de eLearning.

Tivemos a brilhante intervenção da Elizabeth

Seguida da minha…

Julgo que resumindo o sentimento as PLE’s são de uma rica interatividade em boa parte por serem ambientes informais livres de avaliação e com auto-regulação, que em algumas situações a incorporação da mesma daria uma imagem mais clara do trabalho de bastidores na realização das atividades de aprendizagem mas tal como uma peça de teatro o que conta não será a mão-de-obra na realização dos cenários ou no manuseamento dos mesmos mas o que se transmite ao publico debaixo dos holofotes.

Temos de analisar igualmente do ponto de vista de praticabilidade onde para preservar o espírito da proposta iríamos ter uma extensa rede de PLE’s o que obrigaria a uma dispersão muito grande de atenção e esforços no seu acompanhamento por parte do docente.

Não deixa no entanto de ser interessante considerar na avaliação de pares uma rubrica por exemplo sobre o diálogo e acompanhamento entre colegas onde se entraria realmente no seu uso das PLE’s.

Bibliografia:

MOREIRA, JA., and JANUÁRIO, S. Redes sociais e educação: reflexões acerca do Facebook enquanto espaço de aprendizagem. In: PORTO, C., and SANTOS, E., orgs. Facebook e educação: publicar, curtir, compartilhar [online]. Campina Grande: EDUEPB, 2014, pp. 67-84. ISBN 978-85- 7879-283-1. Available from SciELO Books .

Final da Disciplina e Não resisti

Agora que a disciplina já foi avaliada posso partilhar convosco a minha mais recente compra…

dav

Demorou imenso tempo a chegar pois estava esgotado, tenho-o apenas há dias e pretendo o devorar brevemente pois será sem dúvida a nossa forma de estar no futuro.

Sobre o futuro e na nossa necessidade de reflexão aconselho:

Por falar em disciplina avaliada…

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é image.png

E aqui estão as notas 🙂

Considerando que o meu projeto encontra tantos pontos de convergência com os temas apresentados espero poder reencontrar o professor Moreira futuramente.

Segurança na Web para encarregados de Educação – update

Segurança na Web, um desafio na construção de uma formação mas com um pouco de entusiasmo misturado com muito trabalho e fiquei com algumas ideias…

Um desafio de Ambientes Virtuais de Aprendizagem (MPeL) mas que vejo a utilidade na sua aplicação prática, será que poderá ser um desafio para 2020/21.

Update:

Inicialmente preocupei-me em fazer as informações gerais e um tópico dentro do prazo limite mas com o avançar do tempo fui construindo mais pois o tema é interessante e como referi poderia ser um desafio a aplicar pelo que fiquei com um rascunho geral de uma acção de formação para Encarregados de Educação. O E@D forçado que tivemos e que possivelmente poderemos voltar a ter realçou não apenas as desigualdades entre alunos mas a falta de preparação na redução das mesmas, não desejo de forma nenhuma que voltemos ao ponto antes covid19 mas pretendo ao mesmo tempo fazer uma transição em segurança para uma nova sociedade online, para isto os pais devem receber formação como os alunos pois se aos primeiros falta conhecimento técnico aos segundos falta experiência de vida.

Este tópico é de exploração, não só às ferramentas do moodle como à dinâmica que vão encontrar na acção de formação, os EE deverão fazer a sua apresentação e partilhar as suas opiniões sobre o conceito de crianças 2.0, o formador com a participação nos fóruns de discussão terá uma melhor ideia não apenas dos conhecimentos técnicos dos participantes mas também do seu ponto de vista sobre o uso da internet no seu lar e pelas suas crianças permitindo ajustes da formação para colmatar falhas.

O tópico um inicia com a marcação que existe diferenças entre gerações e a forma como a internet marca as mesmas. Introduz ao conceito de “eu digital” servindo por exemplo para contextualizar a privação do uso da internet como medida disciplinar ou como algo supérfluo. Termina com um envio de um trabalho individual de reflexão pessoal.

O tópico seguinte entra nos vários perigos que a internet oferece, a diversa gíria, nomes técnicos e algumas modas. O objetivo não é tanto explicitar cada perigo ou o significado de cada termo mas alertar para a sua existência, contexto e sinais de alarme. Pretende-se encurtar o fosso geracional e acabar com a falácia que por ser um nativo digital está automaticamente preparado para usar a web sem supervisão. O tópico termina com um jogo (criado por mim para as minhas aulas presenciais) que põe de uma forma intuitiva o utilizador à prova nos conteúdos aprendidos.

Por mim entramos no último tópico, neste tento que tenham alguns procedimentos de segurança no pc por forma a fazer uma navegação segura. Pretende-se neste tópico que cada pessoa consiga recuperar tarefas em atraso e que colaborativamente se construa um glossário com os termos aprendidos por forma a que se crie um pequeno manual de estudo. O tópico termina com um formulário de auto e hetero-avaliação e uma sessão síncrona para atribuir uma cara ao nome de utilizador e ter uma conversa aberta sobre o tema, a forma como é encarado e fui abortado.

Como disse, são ideias, de uma pessoa muito cansada mas consciente dos seus deveres profissionais.

Create your website with WordPress.com
Iniciar